Jogos - Tratamento  OBAM Ordem Beneficente de Ajuda Mutua

"Problema de ordem moral , tem que ser estudado, pela ação e reação moral, com a análise das conseqüências dos atos "          

O JOGO    Gifs animados grátis  JOGO PATOLÓGICO (voce está aqui)

            Artigo no Jornal  " O Governo Republicano e o Bem Público",  - O JOGO, cujo projeto de lei foi aprovado, em 1998, na Câmara dos Deputados e tramitada pelo Senado Nacional.

            Se os Parlamentares soubessem que existem Leis Naturais, como na Matemática, Astronomia, Física, Química, Biologia e  Moral,  jamais aprovariam lei que viesse a legalizar o Jogo. Não é da alçada do Poder Temporal decidir este assunto.

" A jogatina é um dos males mais funestos que atormentam a Sociedade. Não é preciso encarecer desastrosas conseqüências pessoais, domesticas e cívicas, do condenável e condenado vício.

            Como combate-lo ? Proibi-lo , pelo Estado, pelo Governo, ou  pelo Poder Temporal? Não.

            O hábito de jogar é de ordem espiritual e moral; como fumar, beber, tomar toxico, etc. O exercício do jogo, perturba a ordem material, se o jogador alicia menores para a casa de tavolagem; se vem jogar na via pública, se comete atos, em que a sua liberdade de jogar, ofende as dos que não jogam; se o funcionário público é perturbado pelo jogo na sua função profissional, e por fim se as desordens morais provocam desordens materiais, surge então contra estas , as medidas proibitivas do Estado, com as leis humanas, os decretos e as sentenças.

            Quanto ao vício em si, ao mau hábito, isto fica sujeito simplesmente à ação moral dos que devem combate-lo : os Sacerdotes das Religiões -  com o exemplo - não jogando - e depois pelo conselho aos jogadores e finalmente, substituindo o poder da repressão pelo poder repreensão, apontando-os à desconsideração pública. Tocando na consciência do jogador, estimulando o sentimento de vergonha e brio, fazendo-o mudar de conduta, mostrando-lhe as conseqüências dos seus atos.

            É claro que esta medidas de ordem moral, tem efeito lento, mas são as únicas compatíveis com a natureza deste mal.

            A intervenção do Governo Temporal, à reação material pela multa e  prisão, apenas redunda em tornar o vício hipócrita, em proteger os jogadores ricos e perseguir os  pobres.

            A única ação do Estado compatível com o principio da Separação dos Poderes  com o verdadeiro Regime Republicano Sociocrático, é não oficializar o Vício, tornando-o fonte de renda.

            Daí, não ser lícito, sem grande escândalo moral, proteger a Jogatina, mantendo as Loterias, os Cassinos etc. são  forma completa de apoio do vício à Sociedade.

Não deve proibir e nem autorizar, isto é, legalizar, é a conduta Republicana Sociocrática.

            Como a jogatina, outros vícios infestam a Sociedade: como fumo,  alcoolismo, tóxicos, a prostituição etc. Para todos a solução é a mesma ; combater sacerdotalmente, através dos órgãos de Opinião Publica - Imprensa - com ausência de qualquer interferência do Estado, pró ou contra ao vício, salvo medidas indiretas, que evitem, o Governo Temporal colaborador, na manutenção ou propagação."

            O Governo Temporal não deve legalizar o Jogo ou participar dele, como faz com a CEF.

            Por isto, não há necessidade do Senado Brasileiro vir a legalizar o jogo; se já não legalizou.

            Devem existir leis, que proíbam locais, limite, idade e normas punitivas com conseqüências danosas - e jamais o Governo fazer do jogo, fonte de arrecadação de impostos e de trabalho, como justificativa para sua legalização.

            Com relação a corrupção sobre os órgãos repressores, a Imprensa é livre para mostrar à opinião pública, e esta, sobre pressão, solicitar a ação do Governo Temporal.

        O Jogo do Bicho, deveria ter sido extinto.  Nesta fase que os jogos recolhem impostos,  deveria recolher sobre a receita, e ser extinguido. Com esta atitude, fica reduzido a zero a corrupção junto aos órgãos policiais. Acabando a corrupção junto a polícia. O Governo não tem que criar a loteria do jogo do Bicho; se criar, o jogo paralelo vai continuar existindo e a corrupção também.

JOGO PATOLÓGICO

Embora se saiba há muito tempo que a atitude de jogar compulsivamente é uma séria alteração do comportamento, seu caráter mórbido ou patológico só a partir de 1980 foi considerado. Nessa época o Jogo Patológico passou a ser classificado e reconhecido como transtorno psiquiátrico através de sua inclusão na classificação do DSM.III. 

Para a Organização Mundial da Saúde, entretanto, o Jogo Patológico passou a ser reconhecido como uma doença somente a partir de 1992. Por definição, em linhas gerais, se caracteriza pela incapacidade da pessoa em controlar o hábito de jogar, a despeito de todos inconvenientes que isso possa estar proporcionando, tais como problemas financeiros, familiares, profissionais, etc.

Calcula-se que nos EUA, na Inglaterra e na Austrália o problema atinja entre 1 e 4% da população geral e, segundo Marcelo Fernandes, psiquiatra do Ambulatório do Jogo Patológico da Unifesp, “em cidades com alta concentração de casas de jogo, como Las Vegas, por exemplo, esse número salta para 8,7% da população adulta.”

Em nosso meio, são as casas de Bingo uma das grandes ameaças à essa população de pessoas vulneráveis à compulsão para o jogo. Apesar da maioria dos estudos sobre jogadores compulsivos ou patológicos ser dirigido à uma população eminentemente masculina, calcula-se que pelo menos um terço deles sejam mulheres.

Segundo a psicóloga Maria Paula Magalhães Tavares de Oliveira, do Ambulatório de Jogo Patológico da Unifesp, o jogo começa com pequenas apostas, normalmente na adolescência, mais freqüentemente entre os homens. 

O intervalo de tempo entre começar a jogar e a perder o controle sobre o jogo varia de 1 a 20 anos, sendo mais comum num período de cinco anos. Maria Paula descreve três fases do comportamento de jogar:  

 

 

 

           Porque se usa a expressão Transtornos do Espectro Obsessivo-Compulsivo?

 

Avanços recentes nos conhecimentos e observações sobre a natureza do Transtorno Obsessivo-Compulsivo têm nos chamado atenção para a inter-relação entre vários quadros psiquiátricos afins; entre eles o Transtorno Dismórfico Corporal (Transtorno Dismórfico Corporal), a Vigorexia, a Tricotilomania, Transtornos Alimentares, Jogo Patológico e outros problemas no controle dos impulsos.

        

          JOGO PATOLÓGICO (voce está aqui)

               

 

 

.........    

Apesar do Jogo Patológico ser classificado sistematicamente no DSM e na CID, a despeito ainda de seus critérios de diagnóstico (vide texto principal), há razões para acreditarmos não ser possível considerar todos jogadores e jogadoras com o mesmo grau de severidade e, nem tampouco, com a mesma fisiopatologia.

Embora o Jogo Patológico esteja relacionado exclusivamente aos jogos de azar (os demais são considerados esportes), cada modalidade parece ter uma fisiopatologia distinta. 

O jogador ou jogadora de roleta, dados, caça-níqueis e bingo, por exemplo, tem sua emoção motivada exclusivamente pela sorte. Há uma expectativa em “ser premiado”, ser distinguido entre os demais pela sorte, de fato, algo meio místico, já que o resultado depende exclusivamente do acaso. Nessas modalidades valem as mandingas, pensamento positivo e todo tipo de “simpatias”.

É diferente do jogador ou jogadora de truco, pôquer, vinte-e-um, bacará e afins. Nesse caso, embora a sorte tenha uma participação também importante, é necessário um envolvimento intelectual. Aqui o sucesso depende da astúcia e, em termos de auto-estima, a recompensa representa um reconhecimento de superioridade, de vivacidade e esperteza. A gratificação emocional, além de valorizar a sorte como uma qualidade inerente ao jogador ou jogadora, o bem estar quando ganham serve também para enaltecer seu ego supostamente habilidoso e criativo.

Tem ainda o caso da jogadora ou do jogador de turfe (corrida de cavalos) e dos apostadores profissionais do esporte (lutas, golfe, basebol, etc). Nesse caso a sorte tem uma participação bem menor, sendo o conhecimento, estratégia e habilidade os principais responsáveis pelo sucesso. A emoção da vitória corresponderia ao sucesso no xadrez, por exemplo.

Assim sendo, não é possível tentar, como pretendem alguns autores, estabelecer padrões de personalidade para os portadores do Jogo Patológico, já que a motivação, gratificação, recompensa, inclinação e impulsos são bem diferentes entre eles.
GJB

        Gifs animados grátis

 

1. - Fase da Vitória
Nessa fase a sorte inicial é e vai sendo rapidamente substituída pela habilidade no jogo e as vitórias tornam-se cada vez mais excitantes. Aumenta a freqüência com que a pessoa procura o jogo e manifesta um otimismo não-realista. Os valores das apostas vão aumentando progressivamente e a perda passa a ser mais sofrível;

2. - Fase da Perda
A característica dessa fase é o aumento de tempo e dinheiro gastos com o jogo, bem como o afastamento da família. Começa a perder. Agora, normalmente o dinheiro ganho no jogo é utilizado para jogar mais, podendo comprometer todo salário, economias e poupanças;

3. - Fase do Desespero:  
Ao perceber o tamanho de sua dívida o jogador ou jogadora pode desesperar-se. Embora ele tenha vontade consciente de pagar suas dívidas, de recuperar a convivência familiar harmônica e a reputação junto aos amigos, não consegue controlar o impulso de jogar ainda mais. Nessa fase, por desespero, alguns jogadores ou jogadoras passam a utilizar recursos ilegais para obter dinheiro, ficam fisicamente exaustos e podem apresentar depressão e pensamentos suicidas.

  Uma das principais características do Jogo Patológico é que, apesar das graves conseqüências que o jogo possa estar provocando, incluindo o risco de separação conjugal, de demissão, das graves perdas econômicas, etc, os jogadores ou jogadoras têm muita dificuldade em controlar o impulso de jogar, em admitir a existência e o tamanho do problema e a pedir ajuda. É por isso que, normalmente, a aderência ao tratamento costuma pouca ou nenhuma.

Critérios diagnósticos

Não é tão simples detectar o Jogo Patológico e, menos simples ainda será considerá-lo um transtorno (Transtorno do Controle dos Impulsos). Primeiramente porque o jogador ou jogadora compulsiva tende a esconder e dissimular fortemente essa dependência, segundo, porque ele ou ela dificilmente reconhecerá a gravidade do quadro, mesmo quando alertado pelos demais e, em terceiro, porque a própria família subestima o problema até um ponto onde se torna insustentável.

Além disso, como nossa sociedade está habituada a considerar dependência apenas os casos de alcoolismo ou uso de drogas, dificilmente entende-se que o Jogo Patológico é, também, uma forma de dependência. Essa cegueira social se reforça diante do fato do jogador ou jogadora ser, comumente, uma pessoa psiquiatricamente normal nas demais áreas de sua atuação.

Há ainda um discurso complacente sobre o problema. É quando familiares ou mesmo o jogador ou jogadora diz que "afinal ela(a) tem direito a um pouco de lazer, já que trabalham tanto, são bons maridos (esposas), etc..."

De qualquer forma, atualmente o Jogo Patológico é caracterizado, segundo os seguintes critérios diagnósticos do DSM-IV pelo seguinte quadro:

1. - preocupação com jogo (preocupação com experiências passadas, especulação do resultado ou planejamento de novas apostas, pensamento de como conseguir dinheiro para jogar);

2. - necessidade de aumentar o tamanho das apostas para alcançar a excitação desejada;

3. - esforço repetido e sem sucesso de controlar, diminuir ou parar de jogar;

4. - inquietude ou irritabilidade quando diminui ou pára de jogar;

5. - jogo como forma de escapar de problemas ou para aliviar estado disfórico (sentimentos de desamparo e culpa, ansiedade, depressão);

6. - depois da perda de dinheiro no jogo, retorna freqüentemente no dia seguinte para recuperar o dinheiro perdido;

7. - mentir para familiares, terapeuta ou outros, a fim de esconder a extensão do envolvimento com jogo;

8. - cometer atos ilegais como falsificação, fraude, roubo ou desfalque para financiar o jogo;

9. - ameaçar ou perder relacionamentos significativos, oportunidades de trabalho, educação ou carreira por causa do jogo;

10. - contar com outros para prover dinheiro, no intuito de aliviar a situação financeira desesperadora por causa do jogo.

Segundo a CID.10, que é a Classificação Internacional de Doenças da ONU, a característica essencial do Jogo Patológico é um comportamento de jogo mal adaptativo, recorrente e persistente, que perturba os empreendimentos pessoais, familiares e/ou ocupacionais. A pessoa com esse transtorno pode manter uma preocupação com o jogo, tais como, planejar a próxima jogada ou pensar em modos de obter dinheiro para jogar. 

A maioria dessas pessoas com Jogo Patológico afirma que está mais em busca de "ação" do que de dinheiro e, por causa dessa busca de ação, apostas ou riscos cada vez maiores podem ser necessários para continuar produzindo o nível de excitação desejado. Os indivíduos com Jogo Patológico freqüentemente continuam jogando, apesar de repetidos esforços no sentido de controlar, reduzir ou cessar o comportamento (veja mais).

Através do reforço emocional intermitente, onde ganhar é um reforço positivo imediato e perder é “apenas” uma circunstância aleatória, o indivíduo apresenta o comportamento compulsivo de jogar. Ele está sempre na expectativa de ganhar, tal como fora conseguido anteriormente. Existe ainda uma sensação especial (emocional) no comportamento de risco, o que ocupa a mente do jogador fazendo que passe a repetir o comportamento (dependência).

Alguns autores sugerem que jogadores ou jogadoras patológicas ficam dependentes de uma sensação de euforia semelhante àquela induzida por drogas. Psicopatologicamente, de fato, o Jogo Patológico tem sido considerado como uma dependência semelhante à dependência de álcool e drogas. Talvez seja por isso que um número considerável de jogadores patológicos tenham altas taxas de comorbidade com a dependência de álcool e outras drogas.

O jogo pode tornar-se uma grande fonte de prazer, podendo vir a ser a única forma de prazer para algumas pessoas, notadamente aquelas mais solitárias e desencantadas com seu entorno social ou familiar. O jogador ou jogadora compulsiva costuma se tornar inconseqüente, gastando aquilo que não tem e perdendo a noção de realidade.

Em Homens ou Mulheres?

De fato, ainda se crê que o Jogo Patológico seja claramente mais comum entre os homens, mas essa posição vem sofrendo mudanças continuamente. Tem havido um expressivo aumento de mulheres com problemas de Jogo Patológico, assim como ocorre em relação à dependência de álcool e de outras drogas e, talvez, isso se deva às mudanças no papel social das mulheres. 

Na população com média de idade de 18 anos foi detectado Jogo Patológico em 5,7% dos rapazes e em 0,6% das moças, resultando numa relação de 9,5 homens para cada mulher. Já na idade média de 22,3 anos essa proporção foi o dobro, ou seja, de 4 homens para cada mulher (Ladouceur, 1991, 1994).

Pesquisa realizada em local de jogo em São Paulo e entre jogadores ou jogadoras que procuraram tratamento, também se observou que é crescente o número de mulheres que jogam. Mesmo assim, a maioria dos jogadores ou jogadoras compulsivas ainda é do sexo masculino, tem cerca de 40 anos de idade, casado(a), trabalha e tem grau de escolaridade elevado (Maria Paula Magalhães Tavares de Oliveira).

 

Comorbidade psiquiátrica

Comorbidade é quando algum outro quadro patológico se associa ao quadro em questão. No caso do Jogo Patológico constata-se, freqüentemente, a associação com outros transtornos psiquiátricos, mais comumente com outros transtornos do humor, de ansiedade, dependência de álcool e outras drogas. 

Entre os homens jogadores a comorbidade com transtornos afetivos varia de 21 a 60%, segundo metanálise de Silvia Sabóia Martins. Há ainda uma porcentagem de casos que apresentam comorbidade com dependência de substâncias, variando de 25 a 65%. 

 Prevalência

Estatísticas em outros países mostram que há uma prevalência de Jogo Patológico estimada entre 1 e 4% da população geral (EUA e Canadá). No Brasil ainda não existem dados seguros sobre a situação, mas, devido à popularidade crescente dos jogos computadorizados e das casas de bingo, alguns indicativos já podem ser preocupantes.

Para se ter uma idéia, em 1998 o bingo era o jogo de preferência em 65% dos jogadores ou jogadoras compulsivas e, em 2001, essa preferência saltou para cerca de 90% (Maria Paula Magalhães Tavares de Oliveira), deixando as loterias, vídeo-pôquer, turfe e caça-níqueis em segundo plano na preferência dos jogadores.

Talvez a preferência pelo bingo tenha uma conotação cultural, ou seja, reforçada por haver maior aceitabilidade social do bingo em relação à outros jogos, tendo em vista a forma amadora, recreacional ou como atividade beneficente.

Tratamento

Tal como acontece no alcoolismo, poucas são as referências na literatura médica sobre os tipos de tratamentos para o Jogo Patológico. Já existem no Brasil alguns Grupos de Jogadores Anônimos, mas a aderência a esse tipo de tratamento ainda é muito baixa. Outras opções são de abordagens psicodinâmicas, terapia familiar, cognitiva e comportamental. 

Quando há transtorno afetivo associado o tratamento com antidepressivos está indicado. Alguns serviços de psiquiatria, notadamente aqueles em ambiente universitário, têm se utilizado de psicoterapia de grupo, com o propósito de auxiliar o jogador a sair do isolamento em que se encontra.

O que é? O que faz? Quem faz? Quem Somos? Célula Unidade Núcleo Agencia Filial

Sucursal Matriz Congênere Filiação Tratamento Filiado Incentivador Coordenador

 Propulsor Vistor Auditor Pleno Mestrado Monarca Decano Lista classificada

Paginas Pessoais Shopping Brasil Álcool Drogas Jogos Sexo Tabaco Trabalho compulsivo

Tóxico Visitas Internação On - Line Anônimo Secreto

Nossas condições de tratamento é somente voluntariado.

Conheça o nosso estatuto, código de ética, regime disciplinar interno e conduta.

Anunciar Bairro Busca rápida Cadastro Cidade Classificados popular Curiosidade         

  E-mail Espaço aberto Estado do Brasil Home page do anuncio Lista classificada 

 Lista de endereço Livro de visita  Negócios & oportunidade Objetivo 

Paginas inicial Paginas pessoais Política de privacidade 

   Quem somos Shopping Brasil Trabalhe conosco Uso do portal